NOTÍCIAS

Postado em 16 de Julho de 2014 às 16h48

Sintomas de uma inevitável crise

A complexa questão da energia elétrica no grande oeste catarinense vem sendo estudada nos últimos anos por um especialista do setor, o diretor de desenvolvimento industrial e comercial da ACIC, engenheiro eletricista Nelson Eiji Akimoto, presidente da NORD Electric S.A. Nesta entrevista, o empresário faz uma ampla análise e indica as soluções necessárias e urgentes.



Na sua avaliação, o oeste catarinense vive uma crise no abastecimento de energia elétrica?



Nelson Eiji Akimoto - Eu não caracterizaria como “crise”, mas sim que o abastecimento de energia elétrica em nossa região apresenta “sintomas” de uma inevitável “crise” se algumas obras importantes do setor elétrico não forem realizadas com urgência. Em 2013, a CELESC manteve índices de interrupções menores que a média nacional e dentro da meta da ANEEL em termos estaduais. Mas, em Chapecó, o consumidor teve mais quedas de energia que a média catarinense. Em fevereiro de 2014, tendo como base os 20 primeiros dias de análise, estes índices registraram os piores valores de todo o estado de Santa Catarina, onde o DEC (tempo acumulado que as unidades consumidoras ficaram sem energia) registrou 87% acima da meta e o FEC (indica a quantidade de vezes que ocorreu interrupção no fornecimento) registrou 74% acima da meta.



Qual o diagnóstico que o Sr. faz sobre o suprimento de energia elétrica no grande oeste catarinense?

Akimoto - Atualmente, o oeste de Santa Catarina tem apenas dois pontos de suprimento de energia, de conexão à rede básica pertencente ao Sistema Integrado Nacional, que é a Subestação Xanxerê da Eletrosul e a UHE Quebra-Queixo. Esta situação é um dos pontos frágeis da região oeste, pois temos como exemplo a situação que ocorreu no início deste ano, quando, devido ao baixo nível de água observado no rio Chapecó, a UHE Quebra-Queixo quase deixou de operar. Se isto vier a ocorrer novamente teremos vários reflexos na qualidade de energia como subtensões, devido à sobrecarga nas instalações da rede básica, pois ficaríamos somente com a Subestação de Xanxerê. Nesse caso, a nossa capacidade ficaria reduzida em 16% com a saída da UHE Quebra-Queixo. Para não se chegar a esta situação pode haver necessidade de racionamento de energia. Destaco, entretanto, que esta situação é externa ao sistema da CELESC.



Como o Estado está enfrentando esse quadro de dificuldades?

Akimoto - Temos conhecimento de ações do Governo Estadual junto ao Ministério de Minas e Energia, solicitando a antecipação de uma obra importante, que é um novo acesso à Rede Básica com a construção de uma nova subestação em Pinhalzinho, cuja conclusão está prevista para o segundo semestre de 2016. Na minha visão, temos que unir esforços para anteciparmos a conclusão desta importante obra para 2015.



A rede de distribuição de energia nas zonas rurais e urbanas está velha e subdimensionada, provocando constantes quedas e oscilações bruscas que resultam em perda de máquinas e equipamentos. Estaria aqui o maior foco de problemas?

Akimoto - Desconheço em detalhes a situação das redes de distribuição e seu dimensionamento. Penso que não podemos generalizar, pois existem investimentos que foram realizados recentemente pela CELESC e outros a realizar em nossa região pelo que temos informação, mas não sei se são suficientes.



Em nossa região funciona uma das maiores hidrelétricas do País – a Foz do Chapecó – e uma rede de PCHs. Geração de energia, com certeza, não é o nosso problema.

Akimoto - Estamos em uma região muito privilegiada com relação à geração de energia, e realmente esse não é o nosso principal problema. Sabemos que o sistema elétrico é interligado e, por isso, se houver um grande crescimento de demanda de energia associado à redução dos níveis dos nossos reservatórios, mesmo tendo todo este potencial na nossa região podemos ser afetados. O que não podemos aceitar é que a energia seja gerada em nossa região e por falta de infraestrutura da rede básica, que dependem de investimentos do Governo Federal, nossa região e nossa qualidade de vida sejam prejudicadas. A subestação da Rede Básica em Pinhalzinho será alimentada pela UHE Foz do Chapecó.



O volume de investimentos da Celesc no oeste de SC não tem sido adequado às demandas da indústria e das demais classes de consumidores? Por quê?

Akimoto - Penso que existem investimentos da Celesc em nossa região, mas, constato que em algumas microrregiões, os investimentos estão defasados com as reais necessidades.



Quais os investimentos considerados urgentes?

Akimoto - Após realizar reuniões sobre este tema no Fórum de Competitividade e Desenvolvimento da Região Oeste, reunião nas Regionais da Celesc em Chapecó, São Miguel do Oeste e Concórdia, além de algumas entrevistas com empresários, destaco ações e investimentos que considero urgentes: antecipação da Subestação de Pinhalzinho de conexão à rede básica para 2015, com as linhas de transmissão de alimentação e interligação; antecipação da subestação de Concórdia para o primeiro semestre de 2015, com a linha de transmissão de alimentação e as redes de distribuição em 23,1 KV; novo alimentador adicional da SE Pinhalzinho para a SE São Miguel do Oeste; novas opções de redes de transmissão interligando regiões e cidades do extremo oeste, dando opções diferentes com maior segurança para o abastecimento desta região; subestação de Maravilha, derivando de um dos alimentadores acima; definição urgente do local (região sul da cidade de Chapecó) e montagem da subestação Chapecó III, com uma redistribuição das cargas entre as três subestações em Chapecó.



Além dessas obras, quais são as demais ações urgentes?

Akimoto - Considero prioritário definir uma estratégia de ampliação do atendimento com rede trifásica nas propriedades da zona rural; a instalação de redes isoladas compactas em locais de preservação da mata nativa ou em locais de grande incidência de árvores, galhos e cascas na rede; a modernização e as adequações das redes de distribuição com a instalação de reguladores de tensão e religadores de energia em locais estratégicos; as redes de distribuição expressas para setores prioritários como parques tecnológicos, condomínios empresariais e distritos industriais; o planejamento do desenvolvimento industrial com a definição de áreas e estimativa de necessidade de demanda de energia e outras infraestruturas e estabelecer legislação municipal com relação às distâncias de plantio/podas de árvores das redes de distribuição de energia.



Qual a solução para as regiões agrícolas que estão sofrendo prejuízos?

Akimoto - O que tenho observado é uma grande solicitação por parte de consumidores rurais de necessidades de redes trifásicas em suas propriedades, pois para ampliar o seu negócio precisa de uma maior demanda de energia. Proponho aos avicultores, a inclusão de um gerador de emergência no financiamento do aviário, ou buscar um financiamento especial para aquisição deste tipo de equipamento além do apoio técnico para o dimensionamento e instalação na propriedade.



Além dos problemas com o suprimento energético, há previsão de forte aumento das tarifas de energia?

Akimoto - As empresas que têm a energia elétrica como um dos seus importantes insumos precisam estar atentas aos reajustes das tarifas que ocorrerão em agosto deste ano - data base da CELESC. Este reajuste deverá surpreender os consumidores, pois a tendência é de agravamento do valor em função da utilização de energia térmica.

Veja também

Nova diretoria inicia trabalhos na ACIC16/01/18 A nova Diretoria Executiva da Associação Comercial e Industrial de Chapecó (ACIC) será solenemente empossada no dia 1º de março, em cerimônia programada para iniciar às 20 horas no Clube Recreativo Chapecoense (CRC). Administrativamente, no entanto, as atividades já iniciaram e, nesta semana, o presidente eleito Cidnei Luiz Barozzi conduziu a primeira......
Programa Almoço Empresarial Grande segredo do sucesso é não fazer nada sozinho, afirma Alcione Belache09/05CEO da Renovigi Energia Solar explanou sobre a trajetória da empresa e como agir para obter resultados e crescer 2.840% nos últimos quatro anos Foco e posicionamento, ter valores, cultura e paixão são aspectos destacados pelo CEO da Renovigi Energia Solar, Alcione Belache, para obter sucesso nos negócios. Ele relatou a trajetória da empresa desde que foi fundada, em 2012,......

Voltar para Notícias