Aba 1

    NOTÍCIAS

    Postado em 28 de Fevereiro de 2019 às 10h40

    Regiões Norte e Sul lideraram crescimento econômico no ano passado, mostra estudo

    • ACIC CHAPECÓ -

    A análise detalhada da atividade econômica do ano passado mostra que as regiões brasileiras enfrentaram um quadro econômico heterogêneo. Um levantamento realizado pelo banco Itaú mostra que o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2018 foi mais acelerado no Norte e Sul, com alta de quase 3%, enquanto o Centro-Oeste ficou praticamente estagnado e obteve o pior desempenho do país.
    As demais regiões, de acordo com o levantamento do Itaú, registraram um desempenho próximo ao do país: o Sudeste cresceu 1%, e o Nordeste avançou 1,2%. Nesta quinta-feira (28), o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou os dados oficiais, que mostram que  a economia brasileira cresceu 1,1% no ano passado .
    Com avanço de 2,7% no PIB, o resultado do Norte foi influenciado sobretudo pelo Pará. Em 2018, o Estado cresceu 3,1% e teve a melhor resultado da região, ainda se beneficiando pelo avanço da indústria extrativa. "Provavelmente houve uma influência da expansão dos projetos de mineração", afirma o economista do banco Itaú e responsável pelo levantamento, Artur Passos.
    No fim de 2016, a Vale inaugurou o projeto de minério de ferro S11D no Pará.  Os investimentos totais anunciados chegaram a US$ 14,3 bilhões.
    A região também teve a ajuda do Amazonas, que cresceu 2,7%. "Esse desempenho pode ser atribuído a alguns setores da Zona Franca de Manaus que tiveram uma expansão mais acelerada."
    Pelo levantamento, o crescimento de 2,5% do Sul teve como contribuição o bom desempenho da produção industrial nos três Estados. Houve crescimento de 5,5% na produção do Rio Grande do Sul, de 4% em Santa Catarina, e de 1,8% no Paraná.
    CENTRO-OESTE NA LANTERNA
    O pior resultado econômico de 2018 foi apurado no Centro-Oeste, de acordo com o Itaú. A atividade ficou praticamente estável e a região apresentou um ligeiro crescimento econômico de 0,1%.
    Há alguns fatores que explicam esse desempenho modesto. Primeiro, o Centro-Oeste foi a região que menos sentiu o impacto do auge da crise econômica, entre 2014 e 2016, e, portanto, há um espaço menor para uma recuperação como ocorre nas demais regiões. Segundo, a safra de grãos, sobretudo a de milho, foi mais fraca do que o esperado, o que traz um impacto para toda a atividade local.
    "A safra menor diminui o impulso econômico do Centro-Oeste", afirma Passos.
    ES LIDERA; RIO AINDA EM DIFICULDADE
    No recorte por Estados, o estudo revela que o Espírito Santo foi o que mais cresceu no ano passado, com alta de 4,8%. A economia estadual ainda se recupera dos estragos provocados pela recessão econômica - em 2016, o PIB despencou 7,8% - e pelo  rompimento da barragem de Mariana  há quase três anos, que afetou a atividade local.
    "O Espírito Santo está com as finanças ajustadas. Isso também ajuda na atividade econômica", afirma Passos. No ano passado, o Estado foi o único a receber a  nota máxima do Tesouro Nacional em relação a sua capacidade de pagamento .
    Por fim, os dados mostram que o Rio de Janeiro segue em dificuldade econômica. No ano passado, segundo o Itaú, o Estado cresceu apenas 0,2%, longe de compensar as recessões dos últimos anos. Em 2015, o PIB do Rio caiu 2,5% e, nos dois anos seguintes, perdeu 3,9% e 2,1%.
    "O Rio cresce pouco e ainda não dá sinais de recuperação", diz Passos.

    Fonte: Por Luiz Guilherme Gerbelli, G1
    Infográfico: Banco Itaú

    Veja também

    Case da vencedora do MPE Brasil será apresentado no Almoço Empresarial da ACIC15/04/14 Vision System conquistou o prêmio na categoria “Serviços de Tecnologia da Informação” Para abrir a série de Almoços Empresariais de 2014, a Associação Comercial e Industrial de Chapecó (ACIC), receberá o diretor do Grupo Vision System, Francis Marcel Post, nesta quarta-feira, 16, a partir do meio dia, na cantina do Cesec em......
    Núcleo de Consultorias apresenta ações no Conselho de Núcleos da ACIC09/08/13 Depois de apresentar as empresas e as ações do Núcleo de Consultorias para a imprensa e para a diretoria da Associação Comercial e Industrial de Chapecó (ACIC), foi a vez do Conselho de Núcleos da entidade......
    Chapecó 103 anos: jovem, motivado, atual e inovador24/08/20 O município de Chapecó chega aos 103 anos de fundação em clima de enfrentamento da pandemia do coronavírus. Essa grave situação de crise sanitária mundial, entretanto, não mancha a......

    Voltar para Notícias