Aba 1

    NOTÍCIAS

    Postado em 11 de Setembro de 2014 às 08h30

    MERCOAGRO 2014 - Seminário abre com palestra sobre inovação, tecnologia e competitividade

    Com o tema “Inovação, Tecnologia e Competitividade na Indústria de Carnes”, foi realizado ontem, dia 10, o X Seminário Internacional de Industrialização da Carne, no Lang Palace Hotel. O evento, paralelo a Mercoagro 2014, tem, entre os objetivos, se tornar um dos eventos mais importantes do setor da industrialização da carne, trazendo tendências, oportunidades e inovações para a indústria. Participaram profissionais e estudantes do setor, que ouviram palestrantes nacionais e internacionais que falaram sobre a história, o momento atual e as tendências do setor de carnes no Brasil e no mundo.

    Na abertura do seminário, o presidente da Associação Comercial e Industrial de Chapecó (ACIC), Bento Zanoni, destacou a parceria com o Senai, Fiesc e BTS Informa. Para ele, o evento é uma oportunidade única para aprender. O diretor da Mercoagro e representante da BTS Informa, José Danghesi, também ressaltou a qualidade do seminário e as parcerias.

    A carência de profissionais competentes e comprometidos foi citada pelo diretor da Secretaria de Agricultura de Chapecó, Nelson Krombauer. Para ele, o seminário é uma oportunidade de aprender e colocar em prática, além de mostrar a importância da tecnologia para a competitividade. Já o vice-presidente regional da Fiesc, Waldemar Schmitz, ressaltou que o objetivo é integrar conhecimento, tecnologia e inovação, buscando tendências de mercado e o desenvolvimento da indústria.

    Logo depois dos pronunciamentos iniciou a primeira palestra da manhã, “Estratégias criativas de competitividade na indústria”, com o doutor Jefferson de Oliveira Gomes, do Senai. Ele falou sobre a economia do Brasil nos últimos 30 anos, destacando que todos os 163 índices pesquisados pelo IBGE cresceram e como isso se reflete na indústria. “Com o aquecimento da economia, nossa indústria derreteu. Temos um déficit na balança comercial de R$ 110 bilhões”, disse.

    Para mudar essa situação e melhorar os números, assim como o desenvolvimento da indústria do País, o Senai desenvolve várias atividades com foco em pesquisa, tecnologia, inovação e empreendedorismo. Conforme Gomes, as empresas fortes que investem em pesquisa aplicada no Brasil não chegam a dez. Ele citou a Petrobrás, a Vale e a Embraer.

    Para aumentar e melhorar as pesquisas, o Senai criou 60 Institutos de Tecnologia e 26 Institutos de Inovação. Além dos 4 milhões de alunos do Senai no País, as empresas também podem usar os laboratórios para fazer pesquisa e desenvolver projetos de inovação, por meio de um processo de edital. “O Senai aporta R$ 300 mil para as empresas. Já são mais de 1.100 empresas atendidas pelo Brasil”, conclui o palestrante.

    Veja também

    Bitcoin deve valorizar para US$ 330 mil neste ciclo, diz analista19/06/19 O grande assunto desta semana é o lançamento oficial da Libra, a moeda digital do Facebook. Bastante aguardado, o projeto de Mark Zuckerberg promete revolucionar não só as criptomoedas mas também os meios de pagamento como um todo. Para Fausto Botelho, analista técnico com mais de 40 anos de mercado e sócio fundador da Enfoque Informações......
    Inova Jovem31/10/17Projeto capacita jovens e estimula a pensar na carreira profissional Com objetivo de capacitar adolescentes vinculados às empresas associadas e comunidade em geral, desenvolvendo competências pessoais, habilidades e postura ideal para o mercado de trabalho, a Associação Comercial e Industrial de......

    Voltar para Notícias