Aba 1

    NOTÍCIAS

    Postado em 06 de Janeiro de 2014 às 09h50

    Defesa de obras infraestruturais marcou gestão de Zolet

    O futuro do grande oeste de Santa Catarina passa por obras infraestruturais que garantirão a competitividade das empresas e dos produtos da região nos mercados nacional e internacional. Ciente dessa condicionante, Mauricio Zolet exerceu a presidência da Associação Comercial e Industrial de Chapecó (ACIC) no biênio 2012/2013, propugnando pela recuperação da rodovia BR-282, duplicação do acesso rodoviário norte, construção das ferrovias leste-oeste e norte-sul, modernização do aeroporto Serafim Bertaso e criação de um novo parque de exposições multiuso.

    Todas essas bandeiras reivindicatórias registraram avanços e continuam na pauta do seu sucessor, Bento Zanoni, pois são campanhas de interesse macrorregional.

    Zolet nasceu em Chapecó em 16 de janeiro de 1966, tem 47 anos, é pai de dois filhos – Débora e Eduardo, casado com Nanon Rosangela Huk Amarante. Graduou-se engenheiro agrônomo, pós-graduou-se pela Fundação Getúlio Vagas em Gestão Empresarial e, pela Unochapecó em Desenvolvimento Gerencial. É diretor da Zolet Fotografias e sócio da Zolet Imóveis.

    De modo geral, qual a avaliação que o senhor faz do seu mandato frente à diretoria da ACIC?

    Zolet – Foi um período marcado pelo diálogo e pelas reivindicações em defesa de ações em favor da comunidade. Isso exigiu muitas viagens às capitais do Estado e da União federal e centenas de articulações com as autoridades das três esferas de governo. Insistimos muito na melhoria dos serviços públicos na área de segurança pública, com aumento de efetivo policial, equipamento e viaturas. Propugnamos pela abertura dos editais para contratação dos projetos das ferrovias. Reivindicamos investimentos no Aeroporto de Chapecó.



    Como presidente da ACIC, o senhor defendeu a questão do transporte ferroviário para manter a competitividade e o desenvolvimento de Chapecó e do oeste catarinense. Tivemos algumas conquistas. Quais? E qual a participação da ACIC para elas acontecessem?

    Zolet – Há alguns anos a ACIC vem acompanhando de perto todas as ações que envolvem a construção da Ferrovia da Integração, que cortará Santa Catarina no sentido Leste/Oeste, e trará benefícios competitivos para a região oeste e extremo-oeste. A principal conquista é, sem dúvida, a contratação do edital para Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental, pois é o primeiro passo rumo a concretização da obra. A ACIC promoveu seminários com presença de ministros, missões para Brasília e Florianópolis, recebeu visitas de deputados e utilizou de vários recursos para incentivar o debate e trazer o assunto à tona para não deixar “esfriar”. Temos confiança que essa obra será um legado para as futuras gerações e em pouco tempo se tornará uma realidade.



    Quanto ao relacionamento da ACIC com o poder público, nas três esferas, qual a sua avaliação? As reivindicações foram atendidas?

    Zolet – Mantivemos um relacionamento de extremo respeito pelos poderes públicos. Mesmo quando agimos com mais firmeza na defesa dos interesses da classe empresarial, prevaleceu o bom senso e o respeito mútuo. Procuramos estar presentes, participar ativamente das ações e principais decisões. Cada esfera deve desempenhar o seu papel com respeito pelas pessoas e pelo nosso país.



    Na sua avaliação, qual foi o desempenho da economia de Chapecó neste período?

    Zolet – O período foi muito bom para a economia de Chapecó, com aumento da produção industrial puxado pelo agronegócio. Mas a economia diversificou-se e, hoje, somos um pólo de serviços de alta qualidade nas áreas de saúde com médicos, clínicas e hospitais; da educação com 22 instituições de ensino superior oferecendo mais de 40 cursos; e de comunicação, além de um crescente e moderno comércio lojista.



    E os destaques no meio empresarial?

    Zolet – Foram muitos, entre eles, a consolidação do primeiro shopping center, o surgimento de novas empresas. O município tem um PIB respeitável de 4,5 bilhões de reais, cerca 7 mil empresas e mais de 75 mil trabalhadores formais.



    Quais foram os fatos que mais lhe marcaram nesta trajetória?

    Zolet – Creio que foram centenas de eventos bem-sucedidos, entre eles, as feiras técnicas que realizamos, cursos, palestras, seminários, as missões internacionais e a defesa política das obras e investimentos em Chapecó e no oeste. Entre estas, as ferrovias.



    Ao encerrar o mandato, o Sr. conseguiu modernizar o estatuto da Acic, coisa rara para quem está encerrando a gestão?

    Zolet – Geralmente, quem está encerrando uma gestão não se preocupa com essa matéria, pois se trata de assunto complexo. Entretanto, tomamos essa iniciativa para colaborar com a nova Administração, eliminando algumas incongruências do Estatuto Social e modernizando aspectos normativos que se constituíam em óbices para os gestores da entidade.



    Quais os conselhos que daria ao seu sucessor?

    Zolet – Exercitar ao máximo a capacidade de diálogo, realizar uma gestão participativa, ouvir com freqüência o quadro social e os colegiados internos, manter independência em relação aos poderes constituídos e Partidos Políticos e priorizar, sempre, os interesses da sociedade chapecoense.

    Veja também

    O sonho de viajar pelo mundo está cada vez mais acessível23/07/13 África, Canadá, Austrália, Nova Zelândia e Alasca são alguns dos próximos destinos do casal Gedi Piorezan e Edeltraudt Piorezan, que participaram na última semana do 2º Workshop de Viagens, promovido pelo Núcleo das Agências de Viagens da ACIC, no Salão Nobre do Lang Palace Hotel, em Chapecó. “Viemos ansiosos para conhecer as......

    Voltar para Notícias