NOTÍCIAS

Postado em 05 de Novembro de 2013 às 16h15

Pequenas práticas: grandes impactos na sustentabilidade do planeta

“Você sabe quanto lixo produz por dia?”, com esta provocação, a diretora do Ponto Focal GRI no Brasil, Gláucia Térreo iniciou sua apresentação no 2o Fórum de Sustentabilidade realizado em Chapecó na segunda-feira, 4. Ela respondeu estimando que cada pessoa produz cerca de um quilo de lixo por dia e cada residência gera uma tonelada e meia por ano. “Se conseguimos identificar esses indicadores e reduzi-los a cada ano, estaremos fazendo a nossa parte e contribuindo com o planeta”, disse.

Durante o 2º Fórum de Sustentabilidade, promovido pelas Associações Comerciais e Industriais de Chapecó (ACIC) e de Joaçaba (ACIOC), Celulose Irani S/A e Unoesc, ocorreu o lançamento estadual da G4, a nova geração de diretrizes do sistema GRI (Global Reporting Initiative) para publicação de relatórios de sustentabilidade. O evento contou com apoio da Nord Electric, FACISC, FIESC e GRI.

Glaucia chamou a atenção que para ter uma “gestão empresarial mais robusta” é fundamental considerar, além dos indicadores financeiros, os sociais e ambientais. “O mercado já está exigindo isso das empresas e essa exigência tende a aumentar”, prevê. Entre outros aspectos, a diretora apresentou os princípios dos relatórios indicados pela GRI que contemplam o contexto da sustentabilidade, a inclusão dos stakeholders (públicos de interesse), materialidade e completude. Além disso, a indicação de qualidade de um documento/ relato de sustentabilidade é medida por características que indicam equilíbrio, tempestividade, clareza, comparabilidade, exatidão e confiabilidade.

Sobre a G4, que foi lançada durante o evento, Glaucia explicou que não se trata de uma nova ferramenta, mas do aprimoramento das diretrizes da GRI com maior rigor técnico, as quais incluem temas como governança corporativa, ética, integridade e cadeia de fornecedores. Além disso, ela ressaltou que as tendências internacionais apontam para relatórios eletrônicos e maior número de relatos nos mercados emergentes.

O evento contou com painel no qual participaram representantes de empresas de Santa Catarina que já utilizam a metodologia GRI para construção de seus relatos de sustentabilidade. De acordo com a analista de sustentabilidade da Celulose Irani, Bruna Camassari da Silva, a empresa fez seu primeiro relato em 2004 e percebeu a importância dele para a gestão. Contando com total apoio da alta direção da Celulose Irani, Bruna disse que a integração de todas as áreas é fundamental para construção do relatório e destacou que o princípio da humildade é indispensável para o desenvolvimento de práticas sustentáveis e, consequentemente, da construção do relato.

A gerente de marketing da Tirol, Schirlei Osmarini, apontou que o crescimento da empresa e a exigência por parte dos clientes acelerou o processo de construção do relato na empresa. “Já havia a intenção de fazer o relatório, mas fomos pressionados pelo mercado a agilizar o processo”. Ela recomendou que se invista tempo na reflexão e sensibilização de todos os envolvidos antes de iniciar o relato.

De acordo com o analista da Dudalina, Bruno Luz Martins, o diferencial está no fato de o relatório ser construído por quem está na empresa, por ser quem vive o dia a dia da organização. Segundo ele, a empresa utiliza a metodologia GRI desde 2009, o que auxiliou no processo de internacionalização da marca. Ele citou o projeto social desenvolvido pela Dudalina que beneficia mais de 400 entidades com a doação de retalhos. “O que antes era lucro da empresa, agora é lucro social”, observou. Sobre relatar as práticas de sustentabilidade, Martins julga a fase de investimento em tempo para treinar a equipe como o maior desafio.

Também fez parte do painel, o diretor presidente da Nord Electric, Nelson Eiji Akimoto. O empresário chapecoense diz que mais do que relatar as práticas desenvolvidas, o relatório passa a ser ferramenta de gestão e vira referência para o que se fará no futuro. Akimoto enalteceu o engajamento da equipe que faz parte da Nord Electric em ações sociais e de voluntariado. Ele recomendou o livro “Estratégia para a Sustentabilidade” do autor Adam Werbach. Entre outros pontos, Akimoto falou da importância de valorizar e promover a sustentabilidade que, com isso, a valorização e reconhecimento chegam à empresa, e não o contrário.

GRI

A Global Reporting Initiative, ‘GRI’, promove a elaboração de relatórios de sustentabilidade que pode ser adotada por todas as organizações. A GRI produz a mais abrangente Estrutura para Relatórios de Sustentabilidade do mundo proporcionando maior transparência organizacional. Esta Estrutura, incluindo as Diretrizes para a Elaboração de Relatórios, estabelece os princípios e indicadores que as organizações podem usar para medir e comunicar seu desempenho econômico, ambiental e social. A GRI está comprometida a melhorar e aumentar continuamente o uso de suas Diretrizes, que estão disponíveis gratuitamente para o público.

A GRI, uma Organização Não-Governamental composta por uma rede multistakeholders, foi fundada em 1997 pela CERES e pela Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (UNEP). Em 2002, a GRI mudou-se para Amsterdã onde atualmente está sediada a Secretaria. Ela conta também com os representantes regionais, os Pontos Focais (Focal Points) nos países: Austrália, Brasil, China, Índia e Estados Unidos e uma rede mundial de 30.000 pessoas.

Veja também

Terceirização, um tema sempre em debate17/06 O tema "terceirização" é sempre objeto de dúvidas e equívocos no momento de sua aplicação. Tanto que já se tratou do tema em artigo publicado nesta Revista em maio/2015, quando em tramitação o Projeto de Lei do qual resultou na efetiva alteração legislativa. Mais do que nunca, a terceirização tem sido......
Maílson no 1º Fórum Econômico do Grande Oeste27/03/15 “Situação é difícil, mas não desesperadora” As dificuldades são graves e são muitas, mas não há motivo para desespero. Essa foi a linha da palestra que o ex-ministro da Fazenda......
Workshop do CENA discute liderança e inteligência emocional22/08/18 Em um mercado cada vez mais competitivo, profissionais que possuem habilidades além da técnica são cada vez mais requisitados pelas empresas. Pessoas que têm facilidade de trabalhar em equipe, conseguem resolver......

Voltar para Notícias