Aba 1

    NOTÍCIAS

    Postado em 27 de Novembro de 2018 às 15h02

    Connect Women fortalece mulheres no mundo dos negócios

    • ACIC CHAPECÓ -
    • ACIC CHAPECÓ -
    • ACIC CHAPECÓ -
    • ACIC CHAPECÓ -

    Fortalecer e empoderar as mulheres para que empreendam cada vez mais. Esse é o objetivo do Connect Women – 1º Encontro de Mulheres de Negócios do Mercosul, promovido nesta terça-feira (27), em Chapecó. A organização é da Federação das Associações Empresariais de Santa Catarina (Facisc), com apoio das Associações Comerciais e Industriais de Chapecó e Concórdia, Chaminé, Enterprise Europe Network, IBICT e Sebrae/SC, e patrocínio da Nutrata, Fornari Indústria, Potenza, BRDE e Empório do Mirtilo.

    A programação da manhã contou com quatro painéis sobre agronegócio, serviços e tecnologia, moda e alimentos. A coordenadora do Núcleo de Comércio Exterior e Logística Internacional (Comex) da ACIC Chapecó, Fernanda Colatto Guillen, reforçou que o evento contribui com conhecimento, networking e oportunidades de negócios. “A mulher tem que se envolver e na região do Mercosul temos maior facilidade de logística e de comunicação. Temos muitos aspectos em comum e as possibilidades estão abertas para quem se dedica e vai em busca de novos negócios”.

    De acordo com a coordenadora do Comex da ACIC Concórdia e embaixadora da Rede Mulher na Região Oeste Catarinense, Luciane Fornari, a intenção foi mostrar a conexão entre os segmentos. “Em qualquer atividade que se faça é preciso pensar, por exemplo, em sustentabilidade, e a tecnologia está presente em todos. Trouxemos pessoas que contaram como fizeram e estão fazendo seus negócios darem certo, mostrando que é possível empreender no Brasil e também no mercado internacional. A mulher precisa acreditar no seu potencial para o mundo dos negócios. Elas têm condições de liderar e tomar decisões”.

    O compartilhamento de informações foi destacado pela diretora de Responsabilidade Social e Ambiental da ACIC Chapecó, Carla Cazella. “O evento busca conectar homens e mulheres para os negócios. Essa partilha e fomento do empoderamento das mulheres contribui de maneira fundamental para o crescimento do mercado internacional”.

    Para o vice-presidente de Relações Internacionais da Facisc e diretor de Relações Internacionais e Comex da ACIC Chapecó, Milvo Zancanaro, a mulher precisa ampliar sua participação nos negócios. “Na visão da Facisc precisamos sair dos 22% de participação feminina nos negócios para pelo menos igualar com os homens. Queremos dar continuidade ao fomento do empoderamento feminino. A mulher pode e deve ser empreendedora”.

    O Connect Women, para o gestor dos Programas de Internacionalização do Sebrae/SC, Douglas Luiz Três, quebra paradigmas. “Além da conexão das pessoas, o evento é emblemático pela coragem dos organizadores em fazê-lo em um momento de dificuldade econômica e política, trazendo um outro foco, que fará o Brasil crescer, que é o foco no empreendedorismo, na conexão de pessoas e na desqualificação de alguns paradigmas de separação que existem entre os países. Se quisermos colocar esse bloco no cenário mundial precisamos nos unir e pensar que as questões culturais podem ser vencidas. No mundo atual, o que vale é a capacidade de inovar, de perceber a dor do outro e a partir disso elaborar negócios. O evento é um momento de discutir essas novas possibilidades e as soluções inovadoras que nos coloquem na pauta de exportações do mundo”.

    PAINÉIS

    O painel sobre agronegócio teve como mediador o coordenador da Divisão de Relações Internacionais do Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT) e coordenador do Programa Enterprise Europe Network (EEN Brasil), Márcio Canedo, Leticia Correa, da Berkemeyer, Ricardo Fantinelli, do Parque Científico e Tecnológico Chapecó@, e Eduardo Antonini, da Sempre Sementes. Canedo reforçou que exportar é trabalhoso e exige planificação detalhada das empresas. “Esse evento é extremamente importante porque reúne empreendedores do Mercosul. Existem grandes possibilidades no comércio internacional e o Connect Women é um ambiente propício para discussão focada no empreendedorismo e na relação com o Mercosul”, frisou acrescentando que o IBICT, Sebrae e Confederação Nacional da Indústria (CNI) fecharam um acordo e, a partir de 2019, irão auxiliar 5 mil pequenas empresas brasileiras no início do processo de exportação.

    A professora do curso de Ciências da Computação da Universidade Federal Fronteira Sul (UFFS), Graziela Simone Tonin a CEO e sócia fundadora da IDEA Lunchbox, de Chicago, Flavia Andrade, a fundadora do site Adriana Figueiredo Cursos, Adriana Figueiredo, e a representante da Agência Outsourcing, do Paraguai, Liz Mariela Cabrera, falaram sobre as oportunidades do setor de serviços e tecnologia. Graziela mediou o painel e, de acordo com ela, é difícil pensar atualmente, numa sociedade onde se fala muito em inovação e indústria 4.0, sem fazer conexão com a tecnologia. “Trouxemos cases, um consolidado dos Estados Unidos e um recente do Paraguai que exemplificaram para os participantes como é possível crescer no mercado internacional com o uso da tecnologia. As empresas estão cada vez mais preocupadas em melhorar os serviços e produtos e é de suma importância estar conectado com parceiros, sejam eles nacionais ou internacionais”.

    O setor de moda foi explanado pela ilustradora e empreendedora Marlowa Pompermayer, consultora de projetos ligado ao artesanato Silva Baggio, programadora e analista de sistemas, coach e mentora de finanças Andreia Peronzin, empreendedora da arte Jany Rodrigues e pela mediadora, gestora de inovação na Coopercarga e coordenadora do Núcleo do Jovem Empreendedor da ACIC de Concórdia, Alessandra Cassol. O painel abordou a importância da criatividade e da inovação para o setor. “Um diferencial do ambiente de negócios é o potencial criativo e a capacidade de tornar os produtos escaláveis. As possibilidades de negócios estão bastante vinculadas à experiência que a moda, a arte e o design criam aos usuários, ou seja, a customização. Para as empresas brasileiras, um aspecto importante para a internacionalização é o diferencial criativo e o contexto cultural local que costuma ser inserido nos produtos”.

    A CEO na PackID e professora da Unochapecó, Caroline Dallacorte, mediou o painel que abordou as oportunidades do comércio internacional na área de alimentos. Participaram também as empreendedoras Eliana Aparecida Cansian, da Athuar Treinamento e Assistência Tecnológica, Michelli Zanetti, da Unochapecó, e Fabiana Radin Rigatti, da Nutrata. Caroline observou que as indústrias do agronegócio são fortes na região, mas realçou que existem outras empresas que vem buscando espaço e contribuindo com a economia. “Quando falamos em tendências, o que o consumidor busca, essas empresas têm se destacado em aspectos como saudabilidade, bem-estar e sustentabilidade, com novas propostas, atraindo uma visibilidade diferenciada”, comentou acrescentando que a internacionalização pode ser pensada a partir desses aspectos.

    Veja também

    Flávio Pasquali é eleito Empresário do Ano 201826/11/18 O diretor da empresa Plásticos Pasquali, Flávio Pasquali, foi eleito Empresário do Ano 2018 em solenidade na noite desta quinta-feira (22), em Chapecó. O evento, promovido pela Associação Comercial e Industrial de Chapecó (ACIC), reuniu a comunidade econômica do município, autoridades, lideranças e imprensa no Clube Recreativo Chapecoense (CRC). A......
    Chapecó 103 anos: jovem, motivado, atual e inovador24/08 O município de Chapecó chega aos 103 anos de fundação em clima de enfrentamento da pandemia do coronavírus. Essa grave situação de crise sanitária mundial, entretanto, não mancha a......
    6º Workshop da Mulher: bem estar e fortalecimento10/03/14 Oficinas de maquiagem, estética, cabelo, destinos turísticos, produtos naturais, decoração, artesanato, saúde, terapias corporais, moda, direitos da mulher e empreendedorismo. Estas foram algumas das atividades que levaram......

    Voltar para Notícias